Estuda.com

Blog

Concordância Verbal: o que é, principais regras e exemplos

Estudante focada lendo sobre concordância verbal em um livro, demonstrando a necessidade de aprender sobre o tema para garantir uma boa fala e escrita, principalmente em redações de vestibulares.

A concordância verbal é um dos pilares fundamentais da gramática portuguesa, garantindo a harmonia entre o sujeito e o verbo em uma oração. 

Compreender as regras dessa concordância é essencial para uma comunicação clara e precisa, tanto na fala quanto na escrita — como na redação do Enem e outros vestibulares. 📝

A seguir, vamos explorar o que é concordância verbal, os diferentes tipos de sujeitos, suas regras específicas e exemplos. Acompanhe! 👇

O que é concordância verbal?

A concordância verbal é a relação de harmonia entre o verbo e o sujeito da oração, garantindo a clareza e coerência da frase. Ela se baseia na flexão do verbo em número e pessoa, de acordo com as características do sujeito.

Em outras palavras, a forma verbal deve refletir se o sujeito está no singular ou plural e se está na primeira, segunda ou terceira pessoa. Esse ajuste é essencial para que a frase seja gramaticalmente correta e compreensível.

O que são verbos de concordância?

Verbos de concordância são aqueles que se ajustam em número (singular ou plural) e pessoa (primeira, segunda ou terceira) para concordar com o sujeito da oração. Por exemplo:

  • Em “Eu estudo todos os dias”, o verbo “estudo” está na primeira pessoa do singular, concordando com o sujeito “eu”. 
  • Já em “Eles estudam todos os dias”, o verbo “estudam” está na terceira pessoa do plural, concordando com o sujeito “eles”.

Tabela pessoa do singular e plural 

PessoaSingularPlural
1ª pessoaeunós
2ª pessoatuvós
3ª pessoaele/elaeles/elas

Como identificar o núcleo do sujeito?

Identificar o núcleo do sujeito serve para garantir a concordância verbal correta. O núcleo do sujeito é o substantivo ou pronome que exerce a função principal no sujeito da oração. 

Para encontrá-lo, basta procurar a palavra mais importante que está realizando a ação do verbo. Por exemplo: 

  • Em “Os alunos dedicados estudam muito”, o núcleo do sujeito é “alunos”, pois é a palavra que determina a forma do verbo “estudam”.

Quais são as regras de concordância verbal?

A concordância verbal é regida por uma série de regras que determinam como o verbo deve se ajustar ao sujeito em uma oração. Entender essas normas é fundamental para quem deseja se comunicar de forma eficaz e precisa, evitando erros comuns na escrita e na fala. 

Se você, estudante, precisa escrever uma redação para uma prova ou vestibular, é fundamental saber essas regrinhas. Entenda abaixo!  👇

Sujeito simples

Quando o sujeito é simples, ou seja, possui apenas um núcleo, o verbo deve concordar com ele em número e pessoa. Por exemplo:

  • A professora explica a matéria com clareza. (sujeito: “a professora”, verbo: “explica”)
  • Os alunos prestam atenção na aula. (sujeito: “os alunos”, verbo: “prestam”)

Sujeito composto

Quando o sujeito é composto, possuindo dois ou mais núcleos, a regra de concordância pode variar:

  • Se os núcleos estiverem no singular e forem unidos por “e”, o verbo vai para o plural: O professor e a professora explicam a matéria.;
  • Se os núcleos forem unidos por “ou” ou “nem”, o verbo pode concordar com o núcleo mais próximo ou ir para o plural, dependendo do contexto: “Nem o aluno nem a professora sabia a resposta” ou “Nem o aluno nem a professora sabiam a resposta”.

Oração sem sujeito

Em orações sem sujeito, geralmente com verbos impessoais, o verbo permanece na terceira pessoa do singular. Exemplos comuns incluem fenômenos naturais e o verbo “haver” no sentido de existir:

  • Nevou bastante na noite passada.”
  • muitos livros na estante.”

Locução verbal

Em locuções verbais, onde há um verbo auxiliar e um principal, a concordância é feita com o verbo auxiliar:

  • Os alunos têm estudado para os exames.
  • Ela vai viajar amanhã.

Casos especiais de concordância verbal

Na língua portuguesa, algumas construções linguísticas geram diversas dúvidas quanto à concordância verbal. A seguir, veja alguns casos específicos que podem exemplificar e resumir essas dúvidas.

Substantivos coletivos

Quando o sujeito é um substantivo coletivo, o verbo geralmente fica no singular:

  • A multidão aplaudiu o espetáculo.
  • O grupo decidiu adiar a reunião.

Expressões partitivas

Com expressões partitivas, o verbo pode concordar com o núcleo do sujeito ou com o termo mais próximo:

  • A maioria dos alunos concordou com a proposta.
  • A maioria dos alunos concordaram com a proposta.

Expressão “um dos que”

A expressão “um dos que” pode levar o verbo ao singular ou plural:

  • Ele é um dos que mais trabalha na equipe.
  • Ele é um dos que mais trabalham na equipe.

Verbos indicando horário

Verbos como “ser” e “haver” que indicam horas seguem regras específicas:

  • É uma hora.
  • São duas horas.
  • passa das três.

Pronomes relativos

Com pronomes relativos, a concordância varia:

  • Fui eu que resolvi o problema.
  • Foi ela quem resolveu o problema.

Sujeitos ligados por “ou”, “nem” e “com”

Quando o sujeito é composto e ligado por “ou”, “nem” e “com”, o verbo pode ir para o plural ou concordar com o primeiro núcleo:

  • O diretor, com os professores, decidiu a nova regra.
  • O diretor, com os professores, decidiram a nova regra.
  • O professor ou a professora corrigirá a prova. (Apenas um deles corrigirá a prova)
  • O professor ou a professora corrigirão as provas. (Ambos podem corrigir as provas)
  • Nem o pai nem a mãe sabem onde ele está.
  • Nem o gato nem o cachorro comeram a ração.

Partícula “se”

Com a partícula “se” como índice de indeterminação do sujeito, o verbo fica no singular:

  • Precisa-se de voluntários.

Quando a partícula “se” funciona como apassivadora, o verbo concorda com o sujeito:

  • Venderam-se todas as vagas.

Essas são as regras e nuances da concordância verbal, cada uma essencial para a precisão e clareza da língua portuguesa. Com prática e atenção, dominar esses aspectos torna-se mais intuitivo e natural.

Diferenças entre concordância verbal e nominal 

Apesar de compartilharem o objetivo de estabelecer relações entre termos na oração, a concordância verbal e nominal diferem em seus elementos e na forma como se manifestam.

A concordância verbal relaciona o verbo com o sujeito. O verbo flexiona em número e pessoa para concordar com o sujeito da oração. Ou seja, se o sujeito estiver no singular, o verbo também estará; se o sujeito estiver no plural, o verbo também estará. Exemplo:

  • A menina (singular) estuda (singular).
  • Os meninos (plural) brincam (plural).

A concordância nominal relaciona o substantivo com seus termos. O substantivo, núcleo do sintagma nominal, determina a flexão de gênero e número dos termos que o acompanham, como adjetivos, artigos, numerais e pronomes. Exemplo:

  • A linda (feminino, singular) menina (feminino, singular) estuda (singular).
  • Os belos (masculino, plural) meninos (masculino, plural) brincam (plural).

Resumo das diferenças entre concordância verbal e nominal 

CaracterísticaConcordância VerbalConcordância Nominal
Elementos envolvidosVerbo e sujeitoSubstantivo e seus termos (adjetivos, artigos, numerais, pronomes)
Tipo de flexãoNúmero e pessoaGênero e número
ObjetivoEstabelecer a relação entre o verbo e a ação que ele expressaEstabelecer a coesão entre o substantivo e seus modificadores

Como não errar na concordância verbal?

A concordância verbal é a base da comunicação clara e precisa na língua portuguesa. Ela garante que o verbo e o sujeito da oração “conversem” entre si, transmitindo a mensagem de forma coesa e sem ambiguidades.

Dominar a concordância verbal significa:

  1. Evitar erros gramaticais: falar e escrever com segurança, transmitindo profissionalismo e conhecimento;
  2. Clareza na comunicação: expressar suas ideias com precisão, evitando mal-entendidos e constrangimentos;
  3. Domínio da língua: demonstrar fluência e maestria no uso da língua portuguesa, abrindo portas em diversas áreas.

Agora que você entende o que é a concordância verbal e suas principais regras, é possível praticar e garantir sucesso na redação de vestibular e na escrita de textos. 

Erros nesse aspecto podem prejudicar a compreensão do avaliador e afetar a pontuação final da redação. Assim, compreender e praticar a concordância verbal não só assegura a clareza e coesão do texto, mas também reforça a habilidade do candidato em comunicar suas ideias de maneira eficaz e persuasiva dentro das exigências das provas.

Recomendado

Tirar uma nota boa no Enem para passar na faculdade que deseja pode ser um desafio para muitos estudantes do…

Durante as férias escolares, é hora de focar na lista de material escolar. Ela compõe diversos itens essenciais para a…

As férias escolares são um período aguardado por muitos estudantes. É aquela hora de pausar tudo após um período de…

Cadastre-se para receber notícias sobre Educação

Você sempre bem informado(a)🫡. Assine nossa newsletter gratuita!

Política de privacidade*